Oi gente, tudo beleza ?

Vamos continuar com o resumão do livro “Startup enxuta”? Já postei a primeira parte, quem quiser só caçar aqui no blog. #partiuuuuuuu

TÓPICO: DIREÇÃO!

Conheça o ciclo de feedback: CONSTRUIR – MEDIR – APRENDER

No livro é dito que é preciso concentrar a energia na minimização do tempo total gasto nesse ciclo de feedback. Essa é a essência da direção de uma startup.

em Resumo:

  1. Aprendizagem validada
  2. Atos de fé: hipótese de valor e hipótese de crescimento
  3. MVP (produto mínimo viável)

Esse cara no número 3, é a versão do produto que irá nos permitir uma volta completa do ciclo, com o mínimo de esforço e no menor tempo de desenvolvimento.

O MVP sim, irá ser um experimento e com certeza carecerá de muitos recursos que poderão se provar necessários mais tarde. E ao final do ciclo, devemos encarar a questão mais difícil enfrentada por qualquer empreendedor: pivotar a estratégia original ou perseverar.

Um coisa importante !!!

As atividades seguem essa sequência: Construir – Medir –  Aprender , porém, o planejamento segue uma ordem inversa:

“Descobrimos o que precisamos aprender, utilizamos a contabilidade associada à inovação para definir o que precisamos medir a fim de saber se estamos obtendo aprendizagem validada e, em seguida, descobrimos que produto precisamos desenvolver para executar aquele experimento e obter aquela medição.”

Tópico: SALTAR

“A ESTRATÉGIA SE BASEIA NAS SUPOSIÇÕES”

  1. Um dos primeiros desafios para um empreendedor é levantar uma organização capaz de testar as suposições sistematicamente.
  2. O segundo, como em todas as situações de empreendedorismo, é executar esses testes rigorosos sem perder de vista a visão geral da empresa

O primeiro passo para entender um produto ou serviço, é descobrir se ele cria ou destrói valor.

Com relação ao valor, é fundamental que os empreendedores entendam os motivos por trás do crescimento de uma startup.

Existem muitos tipos de destruição de valor que referem-se ao crescimento que deve-se evitar. Um exemplo seria o negócio que cresce por meio da contínua captação de investimentos e de muita propaganda paga (teatro do sucesso, que tenta transparecer bem sucedido.)

GENCHI GEMBUTSU – Japonês , em inglês :” go and see for yourself” (Vá e veja por si mesmo)

Ou seja, não podemos dizer que temos a plena certeza de algo, ou que entendemos algo 100% se não “olhar por si mesmo”, de modo direto mesmo. Não podemos aceitar qualquer coisa como fato consumado ou se valer do relato dos outros.

SAIA DO PRÉDIO

Bem, aqui ele foca MUITO que as startups só conseguirão coletar os dados que precisam, seja a respeito de clientes, mercados, fornecedores e canais, se sairmos do prédio, da caixa, da sala…(ENSINADO MUITO POR STEVE BLANK). As startups precisam de contato extensivo com possíveis clientes para entendê-los, assim, levante-se da cadeira e vá conhecê-los 😉

Nesse processo, o primeiro passo é confirmar que suas questões de salto de fé se baseiam na realidade, que o cliente possui um problema importante cuja solução vale a pena.

O objetivo de contatos iniciais com os clientes não é obter respostas definitivas, mas esclarecer de forma bruta, que nós entendemos nosso possíveis clientes e os problemas que eles possuem.

PAUSA POR AQUI NÉ ? ABRAÇO GENTE !🍀😘

 

 

 

 

 

Compartilhar: